Riverside no Paradise Garage

No dia 30 de Outubro passou por Portugal a tournée “Love, Fear and the Time Machine” dos Riverside, no Paradise Garage em Lisboa. Trazendo na bagagem o álbum com o mesmo nome, editado no passado mês de Setembro, vêm a Portugal após terem falhado a anterior tournée devido a uma avaria no seu tourbus. Muito aguardado portanto este regresso pelos fãs da banda.

08. Lion Shepherd 08

À hora marcada, pelas 21:30, entraram em palco os polacos Lion Shepherd. Tocando pela primeira vez em Portugal, vieram apresentar o seu álbum de estreia “Hiraeth”, editado em 2015, com uma mistura de rock e metal progressivo com influências orientais. Um concerto interessante e competente do início ao fim, com direito a uma prestação em Alaúde do guitarrista Mateusz Owczarek, na penúltima música “Smell of War”.
O vocalista referiu que já nos visitou várias vezes a nível pessoal e gosta muito do nosso país, para eles era um enorme prazer estar a tocar em Portugal.

Já com uma sala mais composta, de seguida entraram em cena os americanos The SixxiS, em Lisboa pela segunda vez. Tocaram um set composto maioritariamente por músicas do último registo “Hollow Shrine”, também de 2015.

23. The Sixxis 07
A banda atravessa atualmente um bom momento, tendo já tocado com nomes grandes de Rock Progressivo como Wishbone Ash, Spock’s Beard ou The Winery Dogs (mais recente aventura musical de Mike Portnoy). A combinação de letras dramáticas acompanhadas de tons melódicos, guitarras distorcidas e uma poderosa secção de ritmos de bateria e baixo torna o seu som cativante, notando-se igualmente reflexos de algumas das suas influências. Aproveitaram para rodar uma música nova, ainda não gravada, para ver a reação do público, o qual gostou e mostrou o seu agrado. Deram um concerto enérgico e eléctrico, mostrando o excelente potencial que possuem.

Chegou enfim o aguardado momento da noite em que os quatro elementos de Riverside entram em palco, ainda escuro, ao som do órgão de Michal Lapaj, entrando diretamente em “Lost (Why Should I Be Frightened By a Hat?)”, primeira música do último álbum.
Seguiu-se uma sequência de músicas mais antigas como “Feel Like Falling”, “Conceiving You” e “02 Panic Room”, agradando bastante ao público presente. O som na sala esteve muito bom e perceptível, o que ajudou a engrandecer a prestação deste colectivo polaco, muito coeso e seguro em todos os detalhes das suas músicas.

48. Riverside 18

O vocalista aproveitou uma pausa nesta sequência para fazer um momento de stand-up comedy, brincando com o facto de a banda já ter 14 anos, e inicialmente eram jovens e bonitos, apontando para o teclista. Mas que agora, passados todos estes anos eram como um vinho do Porto envelhecido, apontando para o guitarrista. Pediu também desculpa por não terem podido tocar da última vez, quando tiveram problemas com o tour bus, agradecendo o continuado apoio do público português, e o facto de terem aparecido para os ver, desta vez com sucesso.

Chegada a altura de tocar músicas mais recentes, “Saturate Me” foi assim o mote para a visita ao novo álbum, mais à frente também com “Discard your Fears”. Visitaram novamente o anterior registo com “We Got Used to Us” e “Escalator Shrine”, bastante bem recebidas pelos presentes.

42. Riverside 12

Regressando a palco após uma breve pausa, deixando o público a pedir por mais, tiveram tempo para tocar mais duas músicas, finalizando com “Found (The Unexpected Flaw of Searching)”, do último álbum, tendo o vocalista realçado a mensagem positiva da mesma, e pediu a todos os presentes para mostrarem algo de luminoso, isqueiro ou telemóvel, tendo o público presenteado a banda com um jogo de luzes colectivo e intenso.

Foi um concerto com um set muito equilibrado, alternando sempre músicas de álbuns diferentes, dando mais realce aos dois últimos registos. Apesar do último álbum ser um pouco mais calmo, esse facto não transpareceu no concerto, tendo a banda conseguido manter uma energia elevada, cativando sempre a atenção do público durante a duração total do espetáculo.

Agradecimentos à Prime Artists

Texto de Pedro Raimundo

Fotos de Joana Cardoso  

Advertisements
This entry was posted in Reportagens and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s